E. M. Zumbi dos Palmares - Histórico

Share
HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO

A Escola Municipal “Zumbi dos Palmares”, está integrada no complexo educacional do Centro de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente – Caic ”Dolly Jess Torresin” construído em 1996.

A denominação da Escola Municipal “Zumbi dos Palmares” deu-se pela Lei n.º 6.808, decretada pela Câmara Municipal de Londrina e sancionada pelo então prefeito do Município Dr. Luiz Eduardo Cheida, no dia 14 de Outubro de 1996.

Foi inaugurada oficialmente em 11 de novembro de 1996, com a presença do Ministro da Educação Dr. Paulo Renato e demais autoridades de Londrina, juntamente com a comunidade do Jardim União da Vitória e bairros adjacentes.

Iniciou suas atividades em 01 de Fevereiro de 1997, com alunos de 1ª a 4ª séries. O primeiro diretor da escola foi o professor Amauri Cardoso de Oliveira, designado pela Secretaria de Educação.

As supervisoras que atendiam a parte pedagógica eram: professora Sonia Maria Millet dos Santos e Patrícia Luz Pereira de Mello e a secretária Einidina Alves Corrente.

Faziam parte do quadro 14 professores: Nilda Maria de Deus; Idalina Alzira Marques; Sonia Morghetti; Eugênia Rodrigues Miranda da Silva; Andréa Montovani Bonora; Nilda Bandeira; Gislene Inácio Correa; Susana Frasson Ribeiro dos Santos; Alice Aparecida e Silva; Maria Aparecida da Silva; Tatiana Bastos O. Bender; Luciana Loureiro de Lima; Nair Aparecida Rossin; Vera Lucia Jacintho.

O nome Zumbi dos Palmares foi escolhido pela comunidade, porque acredita que o espírito de luta contra preconceitos raciais, sociais, culturais e por melhores condições de trabalho e vida é direito de todo cidadão; são idéias comuns entre Zumbi e a comunidade da Região Sul.

     
NOSSO PATRONO

Biografia de ZUMBI DOS PALMARES

zumbi_dos_palmares 


Zumbi: Líder do Quilombo dos Palmares

No período de escravidão no Brasil (séculos XVII e XVIII), os negros que conseguiam fugir se refugiavam com outros em igual situação em locais bem escondidos e fortificados no meio das matas. Esses locais eram conhecidos como quilombos. Nessas comunidades, eles viviam de acordo com sua cultura africana, plantando e produzindo em comunidade. Na época colonial, o Brasil chegou a ter centenas dessas comunidades espalhadas, principalmente, pelos atuais estados da Bahia, Pernambuco, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais e Alagoas.

Na ocasião em que Pernambuco foi invadida pelos holandeses (1630), muitos dos senhores de engenho acabaram por abandonar suas terras. Esse fato beneficiou a fuga de um grande número de escravos. Estes, após fugirem, buscaram abrigo no Quilombo dos Palmares, localizado em Alagoas.

Esse fato propiciou o crescimento do Quilombo dos Palmares. No ano de 1670, este já abrigava em torno de 50 mil escravos. Estes, também conhecidos como quilombolas, costumavam pegar alimentos às escondidas das plantações e dos engenhos existentes em regiões próximas; situação que incomodava os habitantes.

A situação fez com que os quilombolas fossem combatidos tanto pelos holandeses (primeiros a combatê-los) quanto pelo governo de Pernambuco, sendo que este último contou com os serviços do bandeirante Domingos Jorge Velho.

A luta contra os negros de Palmares durou por volta de cinco anos; contudo, apesar de todo o empenho e determinação dos negros chefiados por Zumbi, eles, por fim, foram derrotados.

Os quilombos representaram uma das formas de resistência e combate à escravidão. Rejeitando a cruel forma de vida, os negros buscavam a liberdade e uma vida com dignidade, resgatando a cultura e a forma de viver que deixaram na África.

Zumbi é hoje, para a população brasileira, um símbolo de resistência. Em 1995, a data de sua morte foi adotada como o dia da Consciência Negra.

Conhecer a história de zumbi e a história afro-brasileira, a luta de um povo pela liberdade, pelo respeito e dignidade, nos faz compreender a razão pela qual a comunidade da região sul, escolheu o nome de Zumbi dos Palmares para identificar a escola Municipal de Ensino Regular de pré a 4ª série que integra o Complexo Educacional do Caic Dolly Jess Torresin.

Voltar