Banner
   
Tamanho Texto

Busca

Prefeitura e Cohab-Ld anunciam a construção de 128 unidades habitacionais

Share

cohab.casas.VP

Ação faz parte de um projeto de construção de habitações populares, que contempla o total de 1.272 apartamentos a serem entregues até 2019

O prefeito Marcelo Belinati e o presidente da Companhia de Habitação de Londrina (Cohab-Ld), Luiz Cândido de Oliveira, anunciaram a construção do primeiro empreendimento de unidades habitacionais populares, composto por 128 apartamentos, de um total de total 1.272 a serem entregues até 2019. O anúncio foi realizado em solenidade, no gabinete do prefeito, na manhã desta quinta-feira (11).

As unidades estarão localizadas no condomínio Residencial Village, na Rua Ivanilda Aparecida Dias, esquina com Rua Vereador Valdir Araújo, no Bairro Residencial Cancun, região norte de Londrina.Das 128 unidades, 48 já estão em processo de execução. O condomínio contempla a Faixa 1,5 do Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), que utiliza recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), com valor de R$ 100 mil por apartamento. Os subsídios oferecidos são de até R$ 36.945,00 e os financiamentos serão feitos pela Caixa Econômica Federal (CEF). A responsável pelas obras é a construtora Contato Engenharia e as 128 unidades custarão cerca de R$ 13 milhões.

O prefeito Marcelo Belinati ressaltou que há 10 anos Londrina não construía casas populares. “Isso gerou inúmeros problemas para o município e desde que assumimos a prefeitura, a equipe da Cohab está empenhada, no sentido de fazer os projetos para que isso voltasse a acontecer na cidade. Fizemos a articulação em Brasília, junto à presidência da Caixa Econômica Federal e, neste momento, o sonho sai do papel e se transforma em realidade”, afirmou.

O prefeito contou que a construção vai gerar cerca de 200 empregos diretos na cidade, o que representa apenas o início das obras das 1.272 unidades que já foram aprovadas pela CEF. “Paralelamente, também temos feito um trabalho de regularização fundiária de centenas de famílias que estavam em situações irregulares há muitos anos. É um trabalho contínuo, ou seja, que não pode parar, para podermos atender toda a demanda da cidade, já que ficamos 10 anos sem construir unidades como estas”, pontuou.

Marcelo informou ainda que, por conta da falta da construção de unidades habitacionais populares na cidade, o número de invasões aumentou muito. Segundo ele, passou de 300 famílias em áreas ocupadas em 2012, para mais de 4 mil famílias em 2016. “Esse é um grave problema social, pois ninguém, que está nesta situação, gostaria de estar. O poder público tem que fazer a parte dele, que é construir moradias para famílias de baixa renda, para que a população tenha condições de ter acesso a uma moradia digna. É para isso que temos feito todos os esforços”, salientou.

cohab.casas.V2O presidente da Cohab, Luiz Cândido de Oliveira, destacou que a construção desses imóveis é um marco para a cidade. “Há muitos anos não contávamos com novos empreendimentos no município, viabilizados através do FGTS pela faixa 1.5 do Programa Minha Casa Minha Vida”, frisou. Ele explicou ainda que o chamamento de famílias interessadas para o Residencial Village foi feito pela Cohab-LD em fevereiro deste ano. “Foi encaminhado para a CEF o cadastro de 356 famílias e é a Caixa que está fechando cada empreendimento, fazendo o contato para as famílias apresentarem a documentação para dar entrada no financiamento”, disse.

Segundo o presidente da Cohab, a companhia faz a triagem das famílias com base nos seguintes critérios: ter cadastro atualizado na Cohab LD; registro em carteira por, pelo menos, 3 anos; saldo no  FGTS; não possuir restrição financeira em órgãos de proteção de crédito; ter documentação de todos os membros da família e comprovação de renda, que se estende até R$ 2.600,00 por família. “Essa documentação é exigida porque o imóvel será financiado junto à Caixa e é ela fará a segunda filtragem, checando se os interessados possuem margem de renda para esse financiamento”, detalhou.

Oliveira contou ainda que, em breve, serão feitas mais 95 residências, com valor unitário de R$ 90 mil, sendo 19 no Vila Romana e 76 no Jardim Viana. Também estão em análise na CEF os contratos para a construção de outros 48 apartamentos no Conjunto Violin e 888 no Peroba Rosa (antigo Conjunto José Belinati). “Estes dois estão tramitando na Caixa e, em breve, deveremos divulgar o edital de chamamento aos interessados”, comentou.

Também estiveram presentes na solenidade, o vice-prefeito, João Mendonça; a presidente do Conselho Municipal de Habitação, Juliana Estiope Beleze; os representantes do Conselho de Administração, Lindelma Furtado e Walter Gastaldi; os vereadores Ailton Nantes, presidente da Câmara Municipal de Londrina, e Tio Douglas; além do proprietário da construtora Contato Engenharia, Anderson Contato.  

Fotos: Vivian Honorato

Acesso Fácil

Menu Principal

Quem está Online?

Nós temos 2417 visitantes