Banner
   
Tamanho Texto

Busca

Agravos de Notificação Compulsória - Difteria

Índice do Artigo
Agravos de Notificação Compulsória
Aids
Botulismo
Cólera
Coqueluche
Dengue
Difteria
Doença de Chagas
Doença Meningocócica
Esquistossomose Mansônica
Febre Amarela
Febre Maculosa Brasileira
Febre Tifóide
Hanseníase
Hantaviroses
Hepatites
Influenza
Leishmaniose
Leptospirose
Malária
Meningites
Peste
Poliomielite
Raiva
Rubéola
Sarampo
Sífilis
Tétano
Tuberculose
Todas as Páginas

Difteria (CID 10 - A36)

Doença transmissível aguda, toxi-infecciosa, causada por bacilo toxigênico que, frequentemente, se aloja nas amígdalas, faringe, nariz e, ocasionalmente, em outras mucosas e na pele. A manisfestação clínica típica é a presença de placas pseudomembranosas branco-acinzentadas aderentes, que se instalam nas amígdalas e invadem estruturas vizinhas (forma faringo-amigdaliana ou faringotonsilar - angina diftérica). Essas placas podem se localizar na faringe, laringe (laringe diftérica) e fossas nasais (rinite diftérica), e, menos frequentemente, na conjuntiva, pele, conduto auditivo, vulva, pênis (pós-circuncisão) e cordão umbilical. A doença se manifesta por comprometimento do estado geral do paciente, com prostração e palidez. A dor de garganta é discreta, independentemente da localização ou quantidade de placas existentes, e a febre normalmente não é muito elevada (37,5°C a 38,5°C). Nos casos mais graves, há intenso aumento do pescoço (pescoço taurino), por comprometimento dos gânglios linfáticos dessa área e edema periganglionar nas cadeias cervicais e submandibulares. Dependendo do tamanho e localização da placa pseudomembranosa, pode ocorrer asfixia mecânica aguda no paciente, o que muitas vezes exige imediata traqueostomia para evitar a morte. O quadro clínico produzido pelo bacilo não-toxigênico também determina a formação de placas características, embora não se observe sinais de toxemia ou ocorrência de complicações. Entretanto, as infecções causadas pelos bacilos não-toxigênicos têm importância epidemiológica por disseminar o Corynebacterium diphtheriae. Os casos graves e intensamente tóxicos são denominados de Difteria Hipertóxica (maligna) e apresentam, desde o início, importante comprometimento do estado geral, placas com aspecto necrótico e pescoço taurino.

Fonte: Doenças Infecciosas Parasitárias: Guia de Bolso. 8ª edição. Pág. 139. Ministério da Saúde: Brasília/DF, 2010.



Acesso Fácil

Menu Principal

Quem está Online?

Nós temos 1862 visitantes

Servidor Municipal


Redes Sociais

Logo do Facebook  Logo do Flickr  Logo do Youtube  Logo do Twitter  icon instagran

 

 

ouvidoria rodape lon

 acesso a informacao rodape

icon interacao