Banner
   
Tamanho Texto

Busca

E. M. Bartolomeu de Gusmão - Histórico

Share
HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO

A Escola Municipal “Bartolomeu de Gusmão” foi construída em 1954, no bairro Aeroporto, na então Rua Álvares Cabral, n.º 309, atualmente Avenida São João, 1863. O terreno foi doado pelo Senhor Aristides Souza Mello.
      
Essa escola foi criada pelo Decreto n.º 222 de 30 de março de 1954, durante a administração do Prefeito Dr. Milton Ribeiro Menezes e tinha uma sala de aula e um sanitário. Na época, a professora Adelina Castaldi era responsável pela escola e a senhora Maria Aparecida Toledo Costa, a primeira professora.
      
A escola recebeu a denominação “Bartolomeu de Gusmão” em homenagem a um grande vulto da nossa história.
      
Em 1970, na administração do Prefeito Dr. Dalton Fonseca Paranaguá, o prédio escolar foi ampliado e passou a ter três salas de aula, sala de administração, cinco sanitários, almoxarifado, cantina e galpão de merenda. Era responsável pela direção da escola a Professora Dalva Toyoko Miyano Queiroz.
      
Em 1974, houve nova ampliação do prédio, que passou a ter uma sala de professores.

Em 1986, na administração do prefeito Wilson Rodrigues Moreira, por meio de um mutirão formado por pais, professoras e funcionários, foram feitos calçamento no pátio interno, calçadas para pedestres e muro,. A direção da escola era de responsabilidade da professora Erica Satiko Arakawa.
      
Em 1994, na administração do Prefeito Luiz Eduardo Cheida, a comunidade recebeu a escola totalmente reconstruída em alvenaria, com mobílias das salas de aula novas e modernas, com três salas de aula, uma sala de leitura (adaptada para uma sala de aula), uma diretoria, uma secretaria/supervisão, dez sanitários, despensa, cozinha e uma área de merenda. A área construída de 244 metros quadrados passou a ser de 457 metros quadrados.
      
Em 2004, na administração do Prefeito Nedson Luiz Micheleti, a escola passou por reformas e ampliação. Construiu-se salas para secretaria, supervisão e direção, banheiro para funcionários, uma sala de aula , adaptação de espaço para biblioteca, eliminação parcial de barreiras arquitetônicas (construção de rampas e banheiros) para alunos com necessidades especiais, reforma da cozinha, pintura da escola e em construção, a quadra esportiva.
      
Atualmente, a escola atende aproximadamente 41 alunos do 1ºAno do Ensino Fundamental de 9 anos e 150 alunos de 2ª a 4ª séries do Ensino Fundamental de 8 anos, com extinção gradual nos anos subsequentes. Trabalha com quinze professoras regentes, uma professora de Língua inglesa, uma secretária, duas agentes de gestão pública, quatro funcionárias terceirizadas, sendo uma merendeira e três auxiliares de serviços gerais. É responsável pela supervisão, Iraci Cardoso de Lima e pela direção, a professora Marcia Gisele V.P. Makiolke.
     
NOSSO PATRONO

BARTOLOMEU DE GUSMÃO - Tributo ao Pai da Aerostação


Bartolomeu_de_Gusmao
Em dezembro de 1685, nascia na então Vila de Santos, em São Paulo, filho de Francisco Lourenço, cirurgião-mor do Presídio da Vila de Santos, litoral paulista, e de sua mulher Maria Alvares, o jovem Bartolomeu Lourenço de Gusmão. Rapaz brilhante, de ideias avançadas para sua época, logo se destacou.

Fez os estudos primários em Santos, seguiu para o Seminário de Belém (Bahia), a fim de completar o Curso de Humanidades, vindo a filiar-se à Companhia de Jesus, sob a orientação do grande amigo de seu pai e fundador daquele Seminário, Padre Alexandre de Gusmão.

Em 1705, com apenas 20 anos de idade, requereu à Câmara da Bahia, o privilégio para o seu primeiro invento. Era um aparelho que fazia subir a água de um riacho até uma altura de cerca de 100 metros. A água não precisaria mais ser transportada morro acima nas costas de homens ou em lombo de animais.
     
Bartolomeu de Gusmão se incorporou à série das figuras que pertencem à história da Humanidade, no campo das ciências com sua invenção notabilíssima, integrando a galeria das nossas glórias nacionais e nas do Mundo, com o primacial relevo que assumiu na prioridade da navegação aérea.
     
Entre 1708 e 1709, Bartolomeu de Gusmão, já ingresso no sacerdócio, embarcou para Lisboa, capital do Império, onde aprofundaria seus conhecimentos. Na Universidade de Coimbra realizou profundos estudos da Ciência Matemática, além das Ciências de Astronomia, Mecânica, Física, Química e Filologia, isto sem falar no exercício da Diplomacia e da Criptografia, atendendo designação de D. João V, tendo bacharelado-se em 5 de maio de 1720 e completado o Curso de Doutoramento da Faculdade de Canones, da Universidade de Coimbra, em 16 de junho de 1720.

Foi uma bolha de sabão elevando-se ao se aproximar do ar quente ao redor da chama de uma vela que acendeu o intelecto de Gusmão para a diferença entre as densidades do ar. Um objeto mais leve que o ar poderia então voar!

Em 1709, anunciou à corte que apresentaria uma "Máquina de Voar". Em 19 de abril daquele ano, recebeu autorização do Rei D. João V para demonstrar seu invento perante a Casa Real. Em 3 de agosto de 1709 foi realizada a primeira tentativa na Sala de Audiências do Palácio. No entanto, o pequeno balão de papel aquecido por uma chama incendiou-se antes ainda de alçar vôo. Dois dias mais tarde, uma nova tentativa deu resultado: o balão subiu cerca de 20 palmos, para verdadeiro espanto dos presentes. Assustados com a possibilidade de um incêndio, os criados do palácio se lançaram contra o engenho antes que este chegasse ao teto. Três dias mais tarde, exatamente no dia 8 de agosto de 1709, foi feita a terceira experiência, agora no Pátio da Casa da Índia perante D. João V, a rainha D. Maria Anad e Habsburgo, o Núncio Cardeal Conti, o Infante D. Francisco de Portugal, o Marquês de Fonte, fidalgos e damas da Corte e outros personagens. Desta vez, sucesso absoluto. O balão ergue-se lentamente, indo cair, uma vez esgotada sua chama, no Terreiro do Paço. Havia sido construído o primeiro engenho mais leve que o ar. O Rei ficou tão impressionado com o engenho que concedeu a Gusmão o direito sobre toda e qualquer nave voadora desde então. E para todos aqueles que ousassem interferir ou copiar-lhe as ideias, a pena seria a morte.
     
A concepção e realização do aeróstato por Bartolomeu de Gusmão, mostrou o passo gigantesco que representou sua invenção, idealização e objetivação do flutuador aerostático, donde deveria sair a aeronave, sendo corretamente considerado o Pai da Aerostação, tendo precedido em 74 anos os irmãos Montgolfier, que voaram em um balão de ar quente em 1783.
      
Bartolomeu de Gusmão foi uma figura singular, na qual o homem, o sacerdote e o bem-dotado se fundiam numa personalidade complexa, que enxergava muito à frente de seu tempo, sofrendo as naturais e inevitáveis consequências dessa excepcionalidade.
      
O Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão faleceu em 19 de novembro de 1724, em Toledo, na Espanha, sendo considerado pelos seus feitos a primeira e a mais bela página da Aeronáutica.

Voltar

Acesso Fácil

Menu Principal

Quem está Online?

Nós temos 3117 visitantes